segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Rádio Peão

Informação é uma importante ferramenta administrativa. Sem ela é impossível administrar uma empresa. Quando é precisa e de qualidade determina o sucesso de qualquer empreendimento ou instituição. Mas, quanto àquela informação paralela, a não-oficial. Aquela que percorre os corredores, também chamada de fofoca, disse-que-disse, rádio peão. Não se sabe como surgiu essa rede de informação clandestina, nem a sua autoria, só se sabe que tem um poder de penetração invejável no meio dos funcionários. Os boatos variam e são de toda ordem, vão desde a vida pessoal do chefe até as listas de demissão. Está presente em toda parte da empresa seja, nos corredores, nas salas de trabalho, nos cafezinhos e até no banheiro. Funciona enquanto há expediente e muitas vezes após dele. Muitas “mensagens” são ricas de detalhes e de pormenores. Os locutores, sim porque são muitos, possuem características próprias, fala baixo, olha para os lados e começa a “transmissão” pedindo segredo, costuma não revelar as fontes... Não se sabe ao certo o objetivo ou a razão da rádio peão, mas quanto aos resultados estes são claros, não é vantajoso nem ao patrão nem aos empregados. A fofoca é sempre danosa, pode provocar, além da perda de tempo, a demissão de seus autores. Empresas das quais os funcionários são adeptos desta prática são mais ansiosos, estressados e menos produtivos porque gastam muita energia em coisas desnecessárias.

8 comentários:

adely disse...

Muito pertinente esse comentário pois acredito que muitas pessoas perdem tempo na vida se preocupando com a vida dos outros e nem prestão atenção na sua, que muitas vezes, não são perfeitas como elas acham. parabéns pelo blog

Anônimo disse...

Infelismente, sabemos que esse tipo de atitude faz parte de todas as rodas sociais. Os patrões falam dos empregados em seus escritórios, nas suas reuniões Etc., e os empregados falam dos outros Nos corredores, nos cafés... Em fim: para isso nós só temos uma explicação: Nunca queremos deixar de sermos crianças. Nunca queremos abandonar a velha brincadeira de telefone sem fio, pois é isso o que se configura o que chamamos de rádio peão, mudamos o nome daquela brincadeira para não chamarnos de crianças. Mas parece que é isso o que sempre iremos ser: eternas crianças, pois as atitudes são muito parecidas.

Milton Carvalho
Um forte abraço e vamos refletir sobre esse aspecto.

Anônimo disse...

Olá, Pedro! Adorei sua fofoca on-line.

Anônimo disse...

Pedro,

Fico feliz que você esteja compartilhando com o mundo seu pensamento, seu conteúdo. Democratizar conteúdos é o papel principal do bibliotecário, parabéns!
Quanto a rádio peão... concordo. As MENTIRAS causam sempre muito dano a quem as recebe e mais ainda a quem as profere.

Mais uma vez, parabéns!
Cristiane

Anônimo disse...

Pedro

Parabéns pela reportagem, concordo com você em tudo o que escreveu

Polly

Ediane disse...

Escreveste muito bem, é um assunto sério com o ar da sua graça, ta o máximo!!
Nunca ouvi falar que fofoca fizesse algum bem... Num ambiente de trabalho é pra cada um se ocupar de sua função, procurando ter atenção no que faz, conversar sim se possível, mas coisas saudáveis e/ou necessárias.

Xerão grandãozão!!!
=]

Neide disse...

Olá Pedro,
Parabéns.

É uma pena que as pessoas utilizem o meio de informação tão poderoso para espalhar insegurança, medo e inverdades. A palavra deveria ser utilizada para unir forças e fazer crescer a empresa que servimos.
Beijos
Neide

Ively disse...

Olá Pedrinho
Bem apropriado esse seu texto sobre um ato extremamente desprezível como a fofoca. Vale lembrar que a pessoa, o autor da fofoca ou quem a passa adiante, esconde por trás sentimentos como: inveja, ódio e maldade... é literalmente não ter o que fazer além de se preocupar com a vida alheia . Não é à toa que a Bíblia se refere à ‘língua’ como um pequeno membro capaz de incendiar uma floresta...
Que possamos lembrar sempre das três peneiras de Sócrates antes de passar alguma informação do tipo "Rádio Peão" adiante.
Bjo