quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Dezembro: “Caixinhas” de Natal


Então chegou dezembro e para aproveitar a ocasião vamos falar durante o mês de coisas bem peculiares desse período, falar de coisas legais e de outras nem tanto assim. Dezembro é mais que um simples mês: É uma época. E sendo assim lembro – não faz tanto tempo - de quando chegava dezembro logo se via as decorações da época natalina nas casas e lojas do comércio. Era, portanto o clima de Natal no ar com aquelas luzes coloridas piscando por todos os lados, mas quando o mês acabava ficava com saudades. Hoje em dia mal acaba o mês de outubro as lojas já estão todas decoradas e ainda por cima disputando nas alturas os jingles de Natal, e quando chega dezembro ninguém mais agüenta tanta poluição sonora e visual dos temas natalinos misturados aos apelos vorazes do comércio. E por falar em comércio... O que dizer da “explosão” das irritantes caixinhas de Natal? Para onde se vai lá estão elas bem coloridas e chamativas colocadas em locais estratégicos bem ao alcance da visão dos consumidores. E haja caixinha! Tem caixinha na padaria, na farmácia, no fiteiro, na carrocinha do cachorro-quente e até no táxi! Esse último opera na bandeira dois durante todo o mês de dezembro, isto é, a caixinha já está embutida na conta! Outro dia estava numa loja bem movimentada e a toda hora só se ouvia os gritos: Caixinhaaaaaaaaa! E todos os vendedores da loja respondiam obrigadoooooooooooooo! A fila para pagar era grande e todos que aguardavam sua vez colocavam alguma quantia na caixinha – que de pequena não tinha nada – e para piorar a situação da fila que já era grande o barulho era quase insurpotável. Quando chegou a minha vez de pagar não coloquei nada na caixinha; e com isso, senti o peso dos olhares e o silêncio no ambiente (sem paranóia). Diante do ocorrido peguei os meus produtos e sai da loja meio constrangido diante dos olhares reprovadores de alguns vendedores ávidos pelas famigeradas caixinhas! Desabafo: Nada contra as gratificações, pelo contrário, gratificar é uma das formas mais concretas de agradecer, só acho que tem que ser natural e espontâneo nada que seja incisivo ou impositivo. Enfim... Caixinhas a parte chegou dezembro cantemos: “Então é Natal (Inclusive das caixinhas) e o que você fez?...” Durante o ano todo para receber...
Pedro Manoel


2 comentários:

D.Everson disse...

labutei

Ively disse...

Pedrinhooo
Achei o seu “desabafo” muito bem-humorado! :-)
Realmente é uma verdadeira multiplicação de Caixinhas de Natal, chega a ser uma invasão!
E essa ‘proliferação’ acaba constrangendo as pessoas, o que deveria ser um ato espontâneo, parece que virou obrigação.
Bjo
Ively