quinta-feira, 11 de novembro de 2010

O que é o Amor?



O amor vai além de toda e qualquer tentativa de compreensão. E aventurar-se nessa empreitada é um caminho que leva a um rumo desconhecido de dúvidas e questões. O mais nobre dos sentimentos sempre foi um mistério para a humanidade e continua sendo até hoje! Já na Grécia antiga os gregos formulavam questões a seu respeito. Isto é, há cerca de três mil anos antes de Cristo, no nascimento da filosofia, o amor era a ordem do dia nos debates. E a pergunta continua renitente, contumaz. Não me interesso muito por respostas já consagradas (pelos próprios filósofos gregos) dos três tipos de amor: Eros, Philia e Ágape. A divisão do termo em três tipos de conceito não me ajuda muito. Questiono o amor livre das teorias filosóficas ou religiosas. Questiono o sentimento que não se verbaliza totalmente, que é grande o suficiente para não caber nas quatro letras do nome. Mas que mesmo assim é impalpável e escorregadio como o tempo. Gostaria de saber o que se passava pela cabeça de Mario de Andrade quando escreveu o magistral livro Amar, verbo intransitivo. Ora, se o amor é um verbo, logo é uma ação, um movimento. Seria então um sentimento em movimento que vai em direção ao outro, e que volta e que vai novamente? Um sentimento de troca! Melhor ainda de doação? É isso! Já ouvi dizer que o amor é simplesmente doar. Então, seria o amor um sentimento em movimento e de doação? Seria por isso que doar é desapegar-se de algo ou de alguma coisa? Desprender-se diante das coisas superficiais, das vaidades em detrimento de coisas importantes e que fazem sentido a vida, saber dividir e compartilhar? Será que só se ama verdadeiramente quando há o desapego? Mesmo correndo o risco de me aventurar em empreitadas desconhecidas e de ser taxado de piegas continuarei na tentativa de compreensão do que é o amor.
Pedro Manoel

11 comentários:

Srta. Simoninha disse...

Olá Pedrinho!
Isso será um divisor para um blog mais intimista???? kkkkkk

Se for bem-vindo e excelente começo... PArabéns pelo texto.

Eu nunca quis muito traduzir esse sentimento. Eu o vou sentindo, seja nas consequencias ou nas inconsequencias que isso me traga. Vou me arriscando e vou saltando para as tentativas de encontrá-lo.

No fim saberei que valeu a pena tentar, pois eu, ah meu amigo EU AMEI MUITOOOOOOOO...

Beijos te amo.

Si.

lu disse...

Sofredor, sempre justo, puro e bom...sentimos, mas não conseguimos explicar esse tão lindo sentimento. faz parte de quem ta vivo e é bom ta vivo, sentir intensamente esse maravilhoso amor!
amei o texto, inteligente e construtivo, como vc!
bj!

josefa disse...

Pedro, cada artigo que você escreve, fica mais eloquente e refinado nos temas escolhidos para retratá-los. Por que você não escreve para uma coluna desses jornais em circulação? Como articulista, você é arrojado. Parabéns!!!!!!!!!!!!!
Jô Vital

Cristiane Alberto disse...

Pedrinho,

pra não dizer que não falei das flores... uma música para o seu post: http://bit.ly/9qaQMf

Parabéns! Você está escrevendo lindamente.
Bjs.
Cris.

Neide disse...

Pedro, estou pensando há horas sobre qual a metáfora da jaca?

A Jaca e o Amor... (?)

Será que amar é atolar o pé na jaca?

Será que amar é estar pronto para amar mesmo uma casca grossa?

Ou será porque o amor é 'grudento'?

Ou será porque o amor pode ser duro ou mole?

Explica ai, vai?!
Beijos.
Neide.

Tiago Silva disse...

Se nunca ninguém conseguiu definir o que é o amor, eu vou lá saber. Só sei que é bom.

O amor não precisa de definição, basta senti-lo.

E a jaca?????

D.Everson disse...

O amor nada mais é segundo o poeta do que:


O amor


O amor não tem fronteiras distâncias
preconceitos.
O amor é andar na linha mantendo sempre o
respeito.
O amor faz milagres expulsa os defeitos.
O amor é a alegria, é do bem o direito.
O amor é o mais puro de um ser de um
sujeito.
O amor é eterno porque foi bem feito.
O amor é para o erro sempre o conserto.
O amor é o único que nasce perfeito.

D.Everson/ do livro Poemas S(ó)l


Acho que as definições desse poeta me satisfazem

Anônimo disse...

Pedro

Amar é tudo
Amar é sofrer juntos
Amar é rir juntos
Amar é viver eternamente
Amar é não querer nada em troca
Amar é respeito ao outro
Amar é sentir
Amar é saber amar
Amar é uma ação e reação
Amar é ver Deus em tudo e em todos
pois, como diz a música:
"Amar, amar,amar, mesmo quando está difícil, quando a lágrima cair AMAR.
Ame sempre. Linda mensagem
Bjs
Polly

Anônimo disse...

O amor...

O que fazer com ele?

Ame!

Bonita a tua definição.
Parabéns|

Catarina

Ana Cristina disse...

Pedro,
Gostaria de colocar um texto que li de Luiz Alberto Py que é médico psiquiatra e psicanalista, cujo título é: quem não se ama não pode amar o outro: cuide de sua Autoestima. Diz ele, “Para ser saudável, toda relação de Amor começa pela Autoestima. Se você não se ama, como poderá amar outra pessoa? Sabemos que não se encontra autoestima na farmácia para comprar, mas é muito importante que fiquemos atentos para a importância de desenvolvê-la, pois ela pode ser desenvolvida, assim como a capacidade de amar. De posse desses dois requisitos, fica bem mais fácil atingir nossos objetivos e lutar para obtermos melhores resultados em nossa vida, principalmente no sentido de sermos mais felizes”. Quando desenvolvemos Amor por alguém, tal situação envolve um desejo de nossa parte e uma aceitação desse desejo. É um processo que envolve todo o nosso ser: nossos sentimentos mais primitivos, nossos instintos e até nossa razão mais sofisticada. E inclui também nosso corpo. Amar uma pessoa é um envolvimento de corpo e alma. Além disso, trata-se de um processo contínuo e progressivo, que evolui e pode aumentar de intensidade ou desaparecer. Tal evolução depende da autoestima de cada um. A autoestima é o fator fundamental para alicerçar a capacidade de amar e que permite tornar uma união amorosa sólida e duradoura. Dentro de uma relação, a tolerância também funciona como estímulo para a evolução. Se formos tolerantes com os erros do outro, o ajudamos a melhorar sua autoestima e isso se reflete na relação. É preciso, porém, distinguir a generosidade do perdão e da tolerância de uma complacência vazia e covarde, que tudo aceita sem nada questionar. Importa separar o joio do trigo, ou seja, o erro repetido e estagnado, do erro cometido em busca do acerto, a partir do qual se desenvolve um processo de crescimento que permite que o Amor floresça “.
Os questionamentos e dúvidas do seu texto com relação ao “Amor” talvez estejam inseridos no texto acima citado e na importância de se colocar em prática a “Autoestima”. Essa palavra pode ser o inicio de compreender o que é o Amor, pelo menos nos leva a refletir. Como você mesmo citou, a mais de três mil anos se tenta entender e explicar esse Sentimento e talvez nunca se consiga explicá-lo com palavras.
Tenho uma explicação para a relação Jacá e o Amor: olhamos a jacá e pensamos: será que é dura ou mole, será que é doce ou aguada, será que vou me deliciar ou não. E Amor quando ele acontece pensamos: será que vai ser bom ou não, será que é suave ou forte, será que vou ser feliz ou infeliz. Os dois serão desvendados quando abrimos e quando provamos. Parabéns, porque seus textos nos permitir sempre refletir.
Ana Cris

Anônimo disse...

Amar sem precisar teorizar, acho deve ser supremo.
Amor-ação... Que tolera, ajuda, auto-ajuda, serena, impulsiona, entende... Que ao final já é um teorizar...
Tô na fase de "apenas" amar... quer dizer: aprender, sentir e tantos outros... sem esquecer da simplicidade do "AMAR".

Bjus!
Susy