segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Perfídia...


E por falar em perfídias... Coincidências existem e existem mesmo! Esses dias curiosamente alguns amigos falavam, em momentos distintos, de relacionamentos amorosos e recorriam ao tema traição. Assunto tão delicado que insiste em percorrer a história da humanidade. Foi aí que se chegou à questão da traição induzida. Explico, trata-se daquela a traição na qual o individuo é colocado em situação de teste para confirmação de uma desconfiança atroz. Não é uma atitude das mais dignas, diria até criminosa. É um jogo perigoso e sem vencedores, pois o manipulador é tão culpado quanto o testado. Infelizmente em algum momento muitos acabam fazendo os execráveis testes, não só no campo amoroso, mas, nos diversos tipos de relacionamentos. Por exemplo: patrões que deixam dinheiro a mostra para testar a aspirante à empregada doméstica, pais que proíbem os filhos usarem o carro da família, mas “esquecem” as chaves no móvel da sala, chefes que dão total “liberdade” aos funcionários só para testar a produtividade... E por aí vai. Há um detalhe importante ignorado pelo manipulador, o ser humano é “falível” e passível de cair em tentações, pois faz parte da condição humana errar e acertar todos os dias. E se de fato queremos alguém melhor não é expondo esse alguém a situações de risco que vamos conseguir. Discordo da idéia do “perdoa-me por me traíres”, na verdade não precisamos disso não é?!!!
Pedro Manoel

3 comentários:

Cristiane Alberto disse...

Pedrinho,

é verdade... esse é um assunto sempre recorrente. Destaco:

"E se de fato queremos alguém melhor não é expondo esse alguém a situações de risco que vamos conseguir."

Pode parecer utópico, mas ao que parece EU sou utópica kkkk, entretanto AINDA acredito que esperar o melhor das pessoas é conseguir o melhor das pessoas.

Penso que o "manipulador" é um grande covarde, porque camufla e justifica no erro do outro a sua incapacidade de ser.

Parabéns pelo Post, amei!

Ella! disse...

Eu costumo dizer que acredito nas pessoas, mas, a natureza humana está aí, pode confiar ou desconfiar.

D.Everson disse...

Pessoas, quanto mais as conheço mais desconfio de mim por ser uma.